Stephane Couturier for Pictet

Glossário

A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - W - X - Y - Z

A
Ações
Ações são valores que garantem a posse de uma parte de uma empresa. Quanto mais ações forem detidas maior a influência do acionista na vida da empresa. Existem diferentes tipos de ações, as mais importantes são as ordinárias, preferenciais, ações de poupança e ações com ou sem direito de voto.

Ações Preferenciais
As ações preferenciais são como as ações ordinárias de uma empresa com vantagens adicionais. Por exemplo, frequentemente as ações preferenciais possuem um maior crédito sobre os ativos e ganhos de uma empresa no caso de uma falência. Para além disso, os dividendos são normalmente pagos antes para as ações preferenciais. No entanto, normalmente estas ações são mais caras e não têm direitos de voto.

Alavancagem (Leverage, em inglês)
A alavancagem é o nível de dívida que pode acrescentar à sua liquidez disponível de forma a financiar um projeto ou uma compra. Por exemplo, usando £100 de dinheiro, ou capital, e £400 de dívida para efetuar uma compra, isso significa que o seu nível de alavancagem é de 4. A alavancagem é utilizada para aumentar o potencial retorno de um investimento.

Alfa
Alfa mostra o desempenho percentual de um fundo acima ou abaixo do correspondente à exposição do fundo ao mercado em geral.

Alívio Quantitativo (QE, em inglês)
É um conjunto de medidas não convencionais de política monetária adotadas por bancos centrais para impulsionar a economia. O banco central compra valores no mercado, normalmente obrigações governamentais, criando liquidez. O dinheiro "fresco", que é utilizado pelo banco central para injetar dinheiro na economia, não é necessariamente impresso, podendo ser criado eletronicamente, como lançamentos contabilísticos nas contas do banco central. O Alívio Quantitativo tem o efeito de manter as taxas de juro em níveis baixos. O aumento da atividade económica é impulsionada pela maior liquidez e pelos menores custos de financiamento. Em teoria, o QE também deverá facilitar o acesso ao crédito e, assim, estimular o crescimento económico.

Alocação de Ativos
Uma estratégia que tem por objetivo equilibrar os riscos e os retornos exigidos por cada investidor. Ao especificar os pesos das classes de ativos que estão alocadas na sua carteira, a alocação de ativos pode ser utilizada para personalizar a abordagem de investimento da carteira a cada um dos objetivos individuais. Normalmente a alocação de ativos utiliza três tipos principais de ativos; ações, rendimento fixo e liquidez e as ponderações destes três tipos podem ser utilizadas para criar estilos de investimento mais agressivos ou mais defensivos.

Alternativos
Alternativos é um termo abrangente para designar os ativos que não são ações, obrigações, imobiliário de referência ou liquidez. Podem incluir desde hedge funds, futuros com gestão, matérias-primas e derivados a áreas de investimento especializadas como vinho e selos. No conjunto, formam a sua própria classe de ativos.

Amortização
Processo contabilístico em que o custo de criação de um ativo intangível é dividido pelo tempo de vida útil esperado desse ativo. Por exemplo, se uma empresa comprar uma marca registada em 2015 por 10 000 euros e prevê utilizá-la durante dez anos, o custo de amortização sistemático será de 1 000 euros por ano durante 10 anos. (Ver também Depreciação)

Apetência pelo Risco
Cada investidor tem uma apetência específica pelo risco ou seja, o "perfil de risco'.' A apetência pelo risco de um investidor deverá considerar tanto a vontade como a capacidade financeira para aceitar oscilações acentuadas no valor do seu investimento. De forma a identificar a apetência pelo risco deverão ser considerados diversos fatores, como os horizontes temporais dos seus investimentos, a sua idade, a sua capacidade de ganhos futura e a presença de outros ativos, como uma habitação ou uma pensão.

Ativo
Um termo genérico para indicar um recurso ou item financeiro tangível ou intangível. Em termos muito gerais, indica qualquer coisa que possua um valor económico. Quando se refere "ativos de uma empresa", o enfoque é dado à combinação de bens, equipamentos e instrumentos que são cruciais às operações da empresa e que representam o seu valor global.


B
Banco Central Europeu
Normalmente referida pela sua abreviatura, o BCE tem por missão manter a estabilidade dos preços na zona euro e manter o seu objetivo de inflação abaixo dos 2%. De forma a cumprir com este mandato, define os objetivos de política monetária, emite notas de bancos e intervém nos mercados cambiais. É um organismo independente, gerido pelo conselho, comissão executiva e conselho geral.

Banco do Japão
O banco central do Japão é uma instituição independente do governo que define a política monetária japonesa, emite notas e moedas e trabalha para a estabilidade do sistema financeiro japonês.

Beta
Beta mostra a variação média do retorno do fundo em relação ao mercado em geral. Um fundo com um beta acima de 1 apresenta, em média, uma variação superior ao mercado; um beta abaixo de 1 significa que o fundo apresenta, em média, uma variação inferior ao mercado.

Broker
Um intermediário ou assessor que compra e vende títulos apenas para os seus próprios clientes.



C
Capital de Risco
O capital de risco é uma expressão utilizada para indicar investimentos em ações para financiar a fase inicial ou a fase de crescimento das empresas. Tipicamente, os fundos de capital de risco investem em start-ups tecnologicamente inovadoras ou empresas em crescimento. Normalmente, os fundos de capital de risco investem em empresas com um risco operacional ou financeiro elevado.

Capital Privado
Os fundos de capital privado são os fundos que investem em empresas não cotadas, ou "privadas", para permitir o seu crescimento e desenvolvimento. Os fundos de capital privado podem investir na fase inicial de uma empresa (atividades típicas de investidores providenciais e investidores em capital de risco) ou em qualquer outra fase do ciclo de crescimento de uma empresa.

Capitalização de mercado média ponderada
A capitalização de mercado média ponderada mostra a capitalização de mercado média das companhias detidas numa carteira.

Carteira (Portfolio, em inglês)
A carteira é um agrupamento dos investimentos de um investidor ou de um profissional financeiro e poderá incluir ativos como ações ou a sua contraparte fundos, como fundos de investimentos. As carteiras são detidas diretamente por investidores e/ou geridas por profissionais financeiros. A prudência aconselha que os investidores deverão construir uma carteira de investimentos de acordo com a sua apetência pelo risco e objetivos de investimento.

Carteira Equilibrada
Uma carteira equilibrada é uma estratégia de investimento resultante da Alocação de Ativos. Normalmente, uma carteira equilibrada é igualmente repartida entre ações e rendimento fixo e tem por objetivo assegurar, ao investidor, o crescimento do capital (através das ações) e rendimento (através do rendimento fixo) e, ao mesmo tempo, diversificar o risco através de duas classes de ativos diferentes.

Circunstâncias Financeiras
As circunstâncias financeiras referem-se a uma avaliação do estado das finanças de um investidor, incluindo o atual nível de liquidez, ativos de longo prazo ou projeções de rendimentos futuros. É necessário ter conhecimento das suas circunstâncias financeiras de forma a compreender os limites dos seus planos de investimento.

Classe de Ativos
Uma classe de ativos é a classificação que se dá a um grupo de valores/títulos de investimento que possuem características semelhantes. As três principais classes de ativos são ações, que são ações ou participações em empresas cotadas; rendimento fixo, que são obrigações ou amortizações de dívida e liquidez. Para além disso, os Alternativos representam mais uma classe de ativos não tradicionais, como hedge funds, matérias-primas, derivados, vinho ou arte entre muitos outros.

Comissões de Desempenho
Comissões pagas pelos clientes aos gestores quando os retornos são superiores à média de retornos do mercado no qual o fundo investe. Quanto mais elevados forem os retornos extra mais elevadas serão as comissões. As comissões são calculadas em percentagem da diferença entre os retornos do fundo e os retornos do índice de referência.

Comissões de Gestão
São as comissões pagas pelos clientes às sociedades gestoras ou gestores de ativos para os compensar pela sua assessoria ao investimento ou serviços de gestão. Estas comissões são calculadas em percentagem do capital investido e poderão variar de acordo com o nível de esforço exigido ao gestor. Os investimentos em fundos que não necessitam uma supervisão rigorosa e atenta implicam comissões mais baixas, como é o caso dos fundos de obrigações europeias, por exemplo. De forma inversa, se o fundo incluir ações mundiais isso significa que o esforço de supervisão do gestor será maior e, consequentemente, as comissões também serão mais elevadas.

Contrário/a
Um investidor contrário assume um estilo de investimento que é o oposto às tendências de mercado prevalecentes. Acreditam que o sentimento do mercado possui uma "mentalidade de rebanho" e uma influência excessivamente categórica na fixação dos preços. Consequentemente, procuram investir em títulos que são "percecionados" como possuindo um fraco desempenho, na convicção de que o seu preço é barato comparativamente ao seu valor real e que poderão ser vendidos por um valor mais elevado quando o sentimento mudar.

Correlação
Correlação mostra a variação do retorno do fundo em relação ao padrão de referência. Investimentos com elevada correlação tendem a subir e a descer em conjunto, o que não é verdade para investimentos com baixa correlação.

Crescimento
Normalmente, existem duas razões principais para investir: conseguir um rendimento regular ou aumentar o seu capital ao longo do tempo. Colocar o  dinheiro em contas poupança poderá ajudar a obter um rendimento, através dos juros, mas apenas poderá conseguir o crescimento do capital se reinvestir os juros nessa mesma conta. Uma melhor forma de aumentar o capital seria investir em valores, como as ações.

Cupão
É o juro pago por uma obrigação a um detentor de obrigações até à maturidade. O cupão poderá ser pago em intervalos de tempo diferentes, dependendo dos termos e condições do acordo de obrigações: pode ser pago anualmente, semestralmente ou trimestralmente. De notar que nem todas as obrigações têm cupões, como as obrigações de cupão zero, que não pagam juros mas cujo custo é mais baixo do que o seu valor nominal, que é o que será pago na maturidade.

Cupão médio
O cupão médio mostra o cupão global ponderado pelo preço dos instrumentos numa carteira.



D
Deflação
A deflação ocorre quando o nível de preços dos bens desce. Não é necessariamente um fator negativo uma vez que numa deflação os preços mais baixos devem-se, em grande medida, ao excesso de oferta. No entanto, e de forma inversa, se a deflação depender de um nível mais baixo da procura, isso significa que o consumo está a estagnar e que a economia está a arrefecer.

Depreciação
A depreciação é a diminuição do valor de um ativo. Processo contabilístico em que o custo de um ativo tangível é dividido pelo tempo de vida útil esperado desse ativo. Por exemplo, se uma empresa comprar uma máquina em 2015 por 10 000 euros e prevê utilizá-la durante dez anos, o custo de depreciação sistemático será de 1 000 euros por ano durante 10 anos.

Derivados
No sentido mais amplo do termo, um derivado é um instrumento financeiro cujo preço ou valor é calculado em relação a outros ativos ou instrumentos negociados num mercado. Estes ativos, ou instrumentos, são designados por “subjacentes” e podem incluir índices, taxas de juro, obrigações governamentais, ações ou matérias-primas, como o ouro ou petróleo. Os derivados são considerados instrumentos especulativos e são muito voláteis, razão pela qual os potenciais ganhos ou perdas são muito elevados. Devido à sua natureza, também podem ser utilizados como coberturas relativamente ao risco de volatilidade dos ativos subjacentes. Os derivados são amplamente negociados no mercado OTC (mercado de balcão), fora do âmbito dos regulamentos padrão de um mercado aplicados pelos supervisores de mercado e, assim, as partes podem negociar livre e diretamente o tipo de contrato e os termos e condições pertinentes. Os derivados mais frequentes incluem futuros, opções, warrants, EFTs e swaps.

Desempenho (Performance, em inglês)
O desempenho é uma indicação do retorno de um fundo e pode ser avaliado para um determinado período de tempo desde o lançamento. O desempenho pode ser medido de acordo com os objetivos do fundo, tais como crescimento, lucro ou retorno total. No entanto, embora o desempenho seja indicativo dos retornos não é indicador do risco assumido para alcançar estes retornos.

Desvio-padrão e volatilidade anualizada
Desvio-padrão ou volatilidade anualizada é uma medida de volatilidade histórica. Calcula-se comparando o retorno médio com a variância média desse retorno.

Diversificar/Diversificação
Diversificação é uma técnica de gestão de risco que utiliza uma variedade de investimentos e classes de ativos numa carteira. O método defende que o facto de deter investimentos que reagem de formas diferentes a determinadas conjunturas de mercado, a carteira poderá minimizar o risco de oscilações de valor significativas e indesejadas. A diversificação resulta numa carteira que possui menor risco do que os investimentos individuais que a compõem.

Dividendos
Parte dos ganhos de uma empresa distribuídos aos acionistas dessa empresa no final do ano. Sob proposta do conselho de administração, os acionistas poderão decidir pelo pagamento de dividendos ou pela retenção dos fundos para investimentos futuros ou para cobrir perdas anteriores. Os dividendos poderão ser pagos em dinheiro ou com outras ações. Neste último caso, o acionista aumenta o seu capital na empresa sem receber qualquer pagamento em dinheiro.

Drawdown
É um indicador que fornece informação sobre o desempenho (performance) do investimento. O drawdown reflete a redução do capital investido e pode ser calculado em termos absolutos ou percentuais. Na sua essência é a maior flutuação entre um pico e o seu subsequente ponto mais baixo numa determinada altura da vida do investimento, dando uma visão/ideia da estratégia do gestor. 

Due diligence
Esta expressão indica o processo de recolha de informação sobre uma empresa, incluindo determinadas condições financeiras, resultados operativos e fluxos de caixa. De uma forma geral, tenta-se determinar todas as circunstâncias de uma empresa com vista a uma aquisição. De facto, antes de comprar uma empresa, é sensato que o potencial comprador efetue essa due diligence para determinar as condições reais de uma empresa, em detrimento das condições "no papel". 

Duração ou duração média
A duração é uma medida da sensibilidade dos instrumentos de rendimento fixo a variações nas taxas de juro.



E
Eonia
Eonia é uma abreviatura de Euro OverNight Index Average, que é uma taxa de juro interbancária para empréstimos a 1 dia na zona euro. É calculada pelo BCE como a ponderação média das taxas overnight dos principais bancos europeus. É também a taxa de referência de diversos instrumentos derivados.

Encargo de conversão
Encargo pago pela transferência de ações de uma categoria de ações/unidades para outra categoria de ações/unidades.

Encargos correntes
Os encargos correntes baseiam-se nos 12 meses de encargos findos a 31 de dezembro do ano anterior. São atualizados anualmente, mas poderão sofrer ajustes com maior frequência. Não incluem comissões de desempenho nem custos de negociação das carteiras, exceto no caso de encargos de subscrição/resgate pagos pelo Compartimento ao comprar ou vender unidades/ações de outro organismo de investimento coletivo. Para os fundos com menos de 12 meses usa-se uma estimativa dos encargos futuros.

Erro de acompanhamento
O erro de acompanhamento mostra o desvio-padrão do retorno ativo (retorno da carteira deduzido do retorno do padrão de referência). Mede o rigor com que o retorno de um fundo acompanha o retorno do respetivo padrão de referência.

Estratégias de Investimento
Uma estratégia de investimento é a combinação da alocação de ativos, estilos, setores e localizações geográficas com as quais um gestor de investimentos pode escolher investir o seu dinheiro. Fornecer ao assessor financeiro a informação sobre os seus objetivos de investimento, objetivos e circunstâncias financeiros e a apetência pelo risco irá permitir-lhe conceber uma estratégia de investimentos adequada às suas necessidades.

Euribor
Euribor é uma abreviatura de Euro Interbank Offered Rate. É a taxa média de juro interbancária à qual um grande painel de bancos da área do euro (cerca de 60 bancos) cedem fundos entre si. Em cada dia útil, às 11:00 a Comissão Executiva do Painel Euribor define a taxa de juro calculada com base nos dados recebidos, do painel de bancos, e divulga-a aos mercados. Existem 8 Euribors diferentes, de acordo com as maturidades, que vão de 1 semana a 12 meses.

Exchange Traded Funds - ETFs (Fundos de Investimento Cotados, em português)
São tipos específicos de fundos de investimento indexados cotados numa bolsa de valores tal como as ações. No entanto, ao contrário das ações, têm gestão passiva e o objetivo é replicar um índice ou uma combinação de índices. Desta forma, os investidores podem aproveitar as duas principais vantagens: diversificação do risco (típica de um fundo) e a flexibilidade transparente de uma transação em tempo real (típica das ações).


F
Fluxos de Caixa (Cash Flow, em inglês)
Indica a diferença entre os fluxos de entrada de capital e os fluxos de saída de capital num determinado período contabilístico Em alternativa, é a soma dos lucros líquidos mais a amortização, depreciação e outras provisões.

Fundos de Fundos
Um "fundo de fundos" (FOF) é uma estratégia de investimento em que o fundo investe noutros fundos de investimento em vez de investir diretamente em ações, obrigações ou outros títulos. Ao investir numa panóplia de outros fundos, cada um com as suas próprias carteiras, os FOF conseguem alcançar importantes vantagens de diversificação. No entanto, devido à quantidade de estruturas de fundos envolvidas neste processo, as comissões são muitas vezes mais elevadas do que nos tradicionais fundos de investimento. 

Fundos de Investimento
Organismos de investimento coletivo concebidos para agrupar os recursos dos investidores que, por seu lado, são detentores de unidades de participação/ações deste organismo, proporcionais ao seu investimento. Isto significa que os lucros e as perdas são alocados aos investidores com base no número de ações/unidades detidas. Os investidores não fazem a gestão direta dos investimentos, delegando essa função num especialista, uma sociedade gestora de ativos, que define as estratégias de investimento do fundo. 

Fundos de Obrigações
Os fundos de obrigações são veículos de investimento. As empresas de gestão de ativos investem em obrigações governamentais e de empresas, dependendo da sua rendibilidade (yield) e maturidades. Os fundos de obrigações podem ser de curto prazo e manter os seus investimentos por um prazo até dois anos ou de médio/longo prazo e, em conformidade, investir num prazo superior a dois anos.

Fundos de Pensões
Estes fundos são concebidos como uma pensão complementar para os seus participantes. São considerados investidores institucionais, graças ao importante agrupamento de ativos sob gestão. Os fundos de pensões podem ser profissionais, i.e. disponibilizados apenas para determinadas categorias de trabalhadores, ou abertos, sem restrições de adesão.

Fundos fechados
São fundos de investimento com um número fixo de ações/unidades de participação que podem ser compradas por investidores institucionais e particulares/de retalho. Os investidores podem sair dos fundos fechados apenas na maturidade pré-definida, ao contrário dos fundos abertos, cujas ações/unidades de participação podem ser vendidas a qualquer altura. Tipicamente, a maturidade dos fundos fechados oscila entre os 10 e os 15 anos. 

Fundos Imobiliários
Um fundo imobiliário é um agrupamento de investimento coletivo que investe em valores de empresas públicas de imobiliário. Um REIT (fundos imobiliários cotados) é um veículo de investimento que funciona como uma empresa, disponibilizando ações/participações no fundo numa bolsa de valores pública e que detém imobiliário comercial. Este fundo distribui as rendas obtidas com estas propriedades aos seus acionistas, sob a forma de dividendos.

Fundos/ Estratégias de Fundos / Fundos de Investimento
Um fundo é um investimento partilhado, gerido por profissionais, que lhe permite agrupar o seu dinheiro com o de outros investidores. Link para o artigo: O que é um fundo.

Fusão & Aquisição (M&A, em inglês)
Muitas vezes referida como F&A (M&A, em inglês), esta expressão inclui diferentes tipos de transações cujo resultado é uma fusão entre diferentes empresas. Através de uma fusão, duas ou mais empresas são fundidas, dando origem a uma nova entidade. Uma aquisição é a fusão de uma empresa noutra empresa, com a "empresa incorporante" a manter a sua identidade/personalidade jurídica, após a "empresa incorporada" ter sido absorvida. 

Futuros
Em termos gerais, os futuros são contratos em que uma parte se compromete (junto da outra parte) a comprar ou vender um instrumento, matéria-prima ou ativo nos termos e condições acordados. Muitas vezes, este tipo de contrato é realizado para "cobrir" ou proteger de eventuais riscos que derivam das atividades futuras de negociação que envolvem o instrumento, matéria-prima ou ativo subjacente. Um tipo específico de contratos de futuros é um futuro financeiro, um derivado cujo valor está intimamente relacionado com o valor do seu subjacente. 


G
Ganhos de Capital
A diferença positiva entre o preço de venda e o preço de compra de um instrumento financeiro. 

Gestão de Ativos
Esta designação indica todas as atividades e técnicas envolvidas na gestão dos ativos dos particulares e das empresas. Os profissionais de gestão de ativos selecionam instrumentos financeiros de forma a construir uma carteira para os seus clientes, com o objetivo de alcançar o melhor retorno para um determinado nível de risco. A gestão de ativos financeiros designa a gestão de ações, obrigações e liquidez enquanto a gestão de ativos não financeiros refere-se ao imobiliário ou património em geral. 

Gestor de Fundos
Um gestor de fundos é responsável pela implementação da estratégia de investimento de um fundo e pela gestão das atividades de negociação da carteira. Isto permite, aos investidores, delegar as suas decisões de investimento num profissional. Os gestores de fundos recebem uma comissão pelo seu trabalho, decidida em percentagem da média dos ativos sob gestão do fundo ou uma comissão relacionada com o desempenho (performance).


H
Hedge fund (Fundo de cobertura, em português)
Um fundo de investimento especulativo que, para alcançar os seus objetivos, negoceia em ativos com perfis de risco/retorno elevados.


I
Imobiliário
O imobiliário pode ser detido como investimento com o objetivo de gerar rendimento ou para fazer crescer o seu investimento inicial ao longo do tempo. O imobiliário divide-se em duas categorias: imobiliário residencial (casas e apartamentos) ou propriedade comercial, como edifícios de escritórios e fábricas.

Impostos
Os impostos são uma taxa involuntária sobre as pessoas e as empresas que é utilizada por uma entidade governamental para custear os serviços públicos. Os impostos revestem-se de várias formas, tais como imposto sobre o rendimento, impostos sobre as vendas ou imposto sobre o imobiliário.  

Indicadores Económicos
Os indicadores económicos são itens dos dados macroeconómicos que dão orientações e diretrizes sobre a direção e intensidade dos desenvolvimentos de uma determinada variável.

Índice de Referência
Um índice utilizado como medida de comparação relativamente ao qual é medido o desempenho (performance) de um título, ativo ou mercado. Na gestão de ativos, os índices de referência são utilizados para aferir o risco médio e o retorno de um fundo ou de um investimento.

Inflação
Existe inflação quando os preços dos bens e serviços sofrem um aumento prolongado. A não ser que este aumento seja acompanhado pelo aumento correspondente dos salários, os consumidores irão perder poder de compra.

Intermediário
Uma empresa ou pessoa que opera nos mercados financeiros fazendo corresponder/reunindo contrapartes numa transação. Um broker opera em nome de terceiros sem assumir qualquer posição. Um intermediário financeiro é uma instituição que faz corresponder/reúne partes com bastante liquidez e outras com fraca liquidez, como investidores e empresas.

Investimento Inicial
O primeiro depósito feito num instrumento financeiro ou numa carteira que define a sua propriedade da conta.

Investimentos
Um investimento é a compra de ativos monetários com a esperança de que o ativo venha a gerar rendimento, no futuro, ou que venha a ser vendido por um preço mais elevado, realizando mais-valias.


J
Joint venture (Consórcio, em português)

Um contrato entre duas empresas, limitado no tempo, e que é concebido para atingir um determinado objetivo especifico. Os acordos, regras e funções dos negócios são estabelecidos no acordo específico.

Juro
O juro é o custo do privilégio de obter dinheiro emprestado, tipicamente expresso em taxa percentual anual.


L
Libor
Libor é uma abreviatura de London Interbank Offered Rate; a taxa de juro que os bancos em Londres cobram pelos empréstimos interbancários. É calculada por um painel formado por dezasseis bancos e moedas, como o USD, o euro, a libra esterlina, o iene, o dólar australiano, o dólar canadiano, o franco suíço, o dólar da Nova Zelândia e a coroa sueca.

Lucro
O lucro é a quantidade de capital que resta da venda de um produto depois de deduzida a despesa inicial do produto e os custos associados com a venda, como impostos ou salários.



M
Matérias-Primas
Refere-se a matérias-primas de qualquer tipo transacionadas numa bolsa de valores organizada. Cada matéria-prima possui um objetivo determinado e a sua utilização generalizada é a razão pela qual são, muitas vezes, utilizadas como ativo subjacente aos derivados. As matérias-primas agrícolas, como o chá, café, soja, arroz e trigo, são designadas soft commodities enquanto as que se extraem da terra, como o ouro, prata, platina, alumínio e petróleo, são designadas hard commodities. 

Maturidade média ponderada
A maturidade média ponderada é uma medida do risco de taxa de juro expressa sob a forma do prazo médio de recálculo das taxas.

Mercado de Balcão (OTC - Over-the-counter, em inglês)
"Mercado de Balcão" é um mercado não regulado, no sentido em que não está sujeito aos mesmos regulamentos aplicados pelos supervisores do mercado financeiro. As negociações são conduzidas diretamente entre as partes interessadas.

Moeda & Flutuações da Moeda
Moeda é um tipo de dinheiro utilizado como forma de troca. Frequentemente, as moedas são específicas de um determinado país e são emitidas pelo governo desse mesmo país. As taxas de câmbio (o preço pelo qual a moeda de um país pode ser trocada pela moeda de outro país) são utilizadas para corresponder aos respetivos valores destas moedas. Uma vez que as taxas de câmbio estão em constante alteração e, muitas vezes, os fundos têm que comprar ações de empresas estrangeiras na sua moeda local, os retornos dos investidores poderão ser afetados pelas flutuações das taxas de câmbio.


N
Necessidades de Investimento
As necessidades de investimento são as restrições colocadas por um investidor ao estilo das suas estratégias de investimento, como o investimento socialmente responsável ou a incapacidade de investir em determinados países. Quando planeia os seus investimentos é necessário ter um conhecimento profundo das suas necessidades de investimento.

Notação de Crédito (Rating, em inglês)
A notação de crédito é uma classificação atribuída por agências de notação de crédito que reflete a opinião dessas agências sobre a qualidade de crédito de um emitente.

Notação de crédito média ponderada
A notação de crédito média ponderada é uma medida do nível de risco de crédito global de um fundo de obrigações. Baseia-se na notação de crédito média das obrigações subjacentes, ponderada pelo peso de cada obrigação no fundo.



O
Objetivos Financeiros / Objetivos de Investimento
Os objetivos financeiros ou objetivos de investimento são os objetivos que um investidor gostaria de atingir através dos seus investimentos, como comprar uma casa ou um plano de reforma. É necessário o conhecimento das suas circunstâncias financeiras e objetivos de forma a planificar os seus objetivos de investimento.
 
Obrigação
Uma obrigação é um instrumento de dívida que permite às empresas, entidades soberanas ou públicas angariar fundos atuando como IOU - I Owe You (Promissória). O Estado emite obrigações para financiar o investimento público e a dívida daí resultante. As obrigações, que possuem uma data de vencimento, implicam o pagamento do empréstimo de capital emprestado acrescido de um juro (fixo ou variável) ao credor. Cada obrigação possui uma notação, atribuída por agências especializadas, que os investidores utilizam para avaliar a capacidade do mutuário em pagar a sua dívida na maturidade. Uma obrigação com baixa notação significa que o emitente poderá não ser capaz de pagar a sua dívida, o que leva o emitente a pagar taxas de juro mais elevadas para encorajar os investidores a comprá-la.

Obrigação Convertível
Um instrumento financeiro que, na maturidade, permite que o investidor recupere o investimento do capital sob a forma de liquidez ou de ações da empresa emitente.

Obrigações de Empresas
Estas obrigações são emitidas por empresas. Normalmente, as obrigações de empresas oferecem uma rendibilidade mais elevada do que as obrigações governamentais porque existe a perceção de um risco mais elevado de incumprimento da empresa no pagamento dos juros. Quanto menor for a qualidade de crédito da empresa maior o juro que é pago ao investidor. Isto deve-se ao facto de o investidor assumir um risco potencialmente mais elevado.

Obrigações do Tesouro
Obrigações emitidas por um Estado, periodicamente, para angariar os fundos necessários para fazer face às suas necessidades de financiamento. 

Obrigações Governamentais
As obrigações governamentais são emitidas por governos. São amplamente consideradas como o tipo mais seguro de obrigações para se investir, uma vez que contam com suporte governamental. No entanto, normalmente oferecem taxas de juro mais baixas do que as obrigações emitidas pelas empresas. Normalmente, os governos emitem as obrigações na sua própria moeda e possuem diversos níveis de risco dependendo da situação económica local. Uma vez que as obrigações governamentais estrangeiras são muitas vezes emitidas na sua própria moeda, se a sua moeda nacional for diferente da das obrigações o seu investimento irá oscilar de acordo com os movimentos das taxas de câmbio.

Obrigações High Yield (ou de elevado rendimento, em português)
As obrigações high yield são oferecidas por emitentes (soberanos ou empresas) que implicam um nível mais elevado de incumprimento. Tipicamente, as obrigações "lixo" têm notação BBB- ou inferior por parte das agências de notação de crédito.

Oferta Pública Inicial (IPO, em inglês)
É o processo através do qual uma empresa coloca as suas ações numa bolsa de valores e se torna uma empresa cujos valores são negociados publicamente (empresa cotada).

Offshore
"Offshore" é uma expressão que teve origem nos anos 1920, quando os barcos norte-americanos viajavam para águas internacionais para recolher a sua carga, escapando às leis de proibição. Assim, o termo define os Estados e as empresas que permitem que outras empresas e indivíduos evitem a legislação dos seus próprios países (muitas vezes tributárias e financeiras). 

Opções
As opções são instrumentos financeiros derivados que, por um prémio dão, ao detentor, o direito de comprar ou vender, numa determinada data, um ativo (designado por subjacente) a um preço do exercício pré definido. A opção que dá ao seu detentor o direito de comprar o ativo é designada por opção de compra (call option, em inglês). O detentor da opção de compra antevê uma subida dos preços. Por outro lado, se o investidor acreditar que os preços estão a cair, poderá comprar uma opção de venda (put option) que (com prémio) lhe dará o direito de vender o subjacente ao preço do exercício na data acordada. 


P
Parte Interessada
Uma parte interessada é uma pessoa ou grupo com um interesse específico numa organização. O conceito foi desenvolvido em 1963 pelo Stanford Research Institute para indicar os que possuem um interesse numa organização e que são necessários para a sobrevivência da empresa.

Perfil de Risco
Cada investidor tem o seu próprio perfil de risco, que tem em conta a sua vontade e capacidade financeira para aceitar fortes oscilações no valor do seu investimento. De forma a identificar o perfil de risco de um investidor têm que ser ponderados diversos fatores, como o período de tempo para o seu investimento, a sua idade, a sua capacidade de ganhos futuros e a existência de outros ativos, como habitação ou uma pensão. O perfil de risco ajuda um gestor de fundos a criar um plano de investimentos adequado, de acordo com o seu objetivo e circunstâncias.

Posição Curta & Venda a Descoberto (Short Position & Short Selling, em inglês)
Esta designação pode ser enganosa, uma vez que não tem nada a ver com o período de detenção de um investimento. Uma posição curta é a venda de títulos obtidos através de acordos de empréstimo. O investidor não é detentor de nenhum uma vez que prevê uma descida do seu preço. A posição é fechada com a compra do instrumento para pagar ao seu credor, esperançosamente com uma taxa mais baixa do que a que foi paga.
 
Posição Longa
Esta designação pode ser enganosa, uma vez que não tem nada a ver com o período de detenção de um investimento. Uma posição longa começa com a compra de um título e termina com a sua venda. Normalmente, é assumida uma posição longa numa ação quando se espera que o preço desta ação venha a subir. De forma inversa, inicia-se uma posição curta quando se espera uma queda dos preços, vendendo uma ação e, posteriormente terminando com a sua compra.

Prémio
Um prémio é a soma adicionada ao preço normal de um ativo de forma a ter acesso a vantagens adicionais, tais como uma opção, cobertura ou seguro 

Prazo médio de reembolso ponderado
O prazo médio de reembolso ponderado é uma medida dos riscos de crédito e de liquidez expressa sob a forma do prazo médio de reembolso do capital.



R
Rácio das Despesas Totais (TER, em inglês)
Os custos totais pagos pelo investidor por um fundo incluindo as comissões de gestão, comissões de desempenho, e outros custos adicionais como as comissões administrativas.

Rácio de Informação
Rácio de informação é uma forma de medir o valor acrescentado pelo gestor de carteiras face a um padrão de referência. É uma medida do retorno ajustado ao risco de uma carteira e é calculado dividindo o retorno ativo (retorno da carteira deduzido do retorno do padrão de referência) pelo erro de acompanhamento.

Rácio de Sharpe
O rácio de Sharpe mostra o desempenho do fundo ajustado ao risco. É calculado dividindo o excesso de retorno (retorno da carteira deduzido do retorno isento de risco) pela volatilidade.

Reequilíbrio
Ao longo do ciclo de vida de uma carteira de investimento, o valor e o risco de algumas classes de ativos irão aumentar ou diminuir a ritmos diferentes uns dos outros. Para que um gestor de fundos possa manter a alocação de ativos do fundo no âmbito das diretrizes e objetivos exigidos pelo investidor poderá ter que "reequilibrar" as ponderações das classes de ativos, vendendo algumas e comprando mais de outras.

Rendibilidade Passada
Rendibilidade passada é o histórico de um fundo. A rendibilidade passada é útil para analisar a forma como o fundo reagiu às anteriores flutuações do mercado mas não deverá ser considerada como indicador de rendibilidades futuras.

Rendimento / Geração de Rendimento
Normalmente, existem duas razões principais para investir: aumentar o seu capital ao longo do tempo ou conseguir um rendimento regular desse investimento. Investir para obter rendimento é uma boa maneira de complementar outras formas de rendimento como salários ou pensões. No entanto, tal como qualquer outro tipo de investimento, implica um determinado nível de risco. O rendimento pode ser obtido a partir de várias classes de ativos, principalmente liquidez, obrigações, ações, imobiliário.

Rendimento à data de vencimento
Taxa de rendimento até à maturidade é o retorno esperado de uma obrigação ou carteira, partindo do princípio de que é mantida até ao vencimento.

Resgate
Este termo indica o suporte financeiro dado a um Estado ou uma empresa que enfrenta o risco de falência. No primeiro caso, uma entidade independente - como a União Europeia, o Fundo Monetário Internacional ou o BCE (que, em conjunto, são normalmente designados por 'Troika') - intervém com a disponibilização de liquidez em troca da implementação de planos de reestruturação da dívida do país. No último caso, o Estado ou um banco intervém para salvar uma empresa da falência. De forma geral, e dependendo da seriedade da situação, este objetivo é atingido através da injeção de liquidez, da concessão de empréstimos com taxas de juro reduzidas ad hoc ou de vantagens fiscais. 

Retorno Absoluto e Estratégias de Retorno Absoluto
Uma estratégia de retorno absoluto tem por objetivo atingir retornos reais positivos, num investimento, independentemente do comportamento dos mercados (subida, queda ou flat).

Risco
O risco é a probabilidade de que o resultado real do seu investimento possa diferir do retorno esperado. Os investimentos com nível de risco mais elevado aumentam a possibilidade de que o seu investimento venha a superar ou a ficar aquém das suas expetativas. Frequentemente, o risco é medido pela frequência e dimensão dos desvios relativamente ao desempenho médio histórico, designado como desvio padrão. Antes de realizar o seu investimento, os investidores deverão estar bem cientes de qual o risco em que incorrem.

Risco de Crédito
É o risco de um mutuário incumprir na sua obrigação de pagamento do principal e dos seus juros. Quanto maior for o risco de crédito maior é a yield exigida para compensar a exposição a riscos mais elevados.

Risco de Mercado
O risco de mercado refere-se às alterações no valor de um instrumento ou de uma carteira de instrumentos financeiros relacionados com alterações inesperadas das condições de mercado. Os principais riscos de mercado incluem: risco cambial, risco de taxa de juro, risco acionista, risco de matérias-primas, risco de volatilidade. 

Risco de Taxa de Juro
Este risco deriva das alterações nas taxas de juro às quais uma instituição financeira se encontra exposta.

Risco e Recompensa
O risco e a recompensa é o entendimento necessário de que por forma a conseguir uma maior recompensa os investidores terão que assumir um nível mais elevado de risco, tornando-os mais suscetíveis à possibilidade de perder parte ou a totalidade do seu investimento inicial. 


S
Securitização
Securitização é uma prática financeira envolvendo um conjunto de ativos que são agrupados e utilizados como colateral para emitir obrigações que serão colocadas no mercado.

Seleção de Ações
O ato de escolher as ações que se acredita irão ser um bom investimento para incluir numa carteira.

Setores
Os setores são um sistema de classificação, utilizado para agrupar ações de empresas ou negócios que possuem produtos, serviços ou características operativas relacionadas. Cada setor terá um perfil de risco diferente e, consequentemente, os gestores de fundos muitas vezes alocam o seu agrupamento de investimentos com diferentes ponderações setoriais de forma a diversificar o risco.

Spread (Diferencial, em português)
A diferença entre o preço de venda e o preço de compra. De forma inversa, o spread de crédito refere-se á diferença entre a yield de uma obrigação e a de outra tomada como referência. Os spreads são determinados com base nas transações no mercado bolsista. As yields sobem ou descem dependendo do grau de confiança dos investidores privados e mutuários.

Sub-performance
Muitos fundos têm a sua performance comparada com a performance média da sua localização ou setor, designado por índice. Este índice serve como referência para que um investidor possa saber se esse fundo tem uma performance (desempenho) superior ou inferior ao mercado comparável.

Swing pricing
“Swing pricing” é um mecanismo que visa proteger os atuais investidores dos custos de negociação causados por subscrições ou resgates.



T
Taxa de dividendo
A taxa de dividendo média ponderada mostra os dividendos pagos por uma ação sob a forma de uma fração do preço da ação.

Taxa de rendimento média
A taxa de rendimento média mostra a taxa de rendimento ponderada pelo preço ou ponderada pela duração dos instrumentos numa carteira.

Técnicas de Cobertura
Uma cobertura é um investimento muito parecido com uma apólice de seguro e é utilizado para reduzir o risco potencial de um movimento adverso no preço de um ativo. A utilização de derivados é a forma mais frequente de cobertura, em que se compra um ativo agora e a opção de o vender mais tarde, ou vice-versa, de forma a assegurar algum retorno do seu investimento. Tal como com uma apólice de seguros, comprar opções sobre os ativos atuais irá fazê-lo incorrer em pequenos custos para cobrir os seus investimentos.



V
Valor dos seus Investimentos
O valor dos seus investimentos oscila diariamente, dependendo das performances de cada título, das posições subjacentes e das flutuações cambiais, caso aplicável. Uma carteira será recalculada de forma a fornecer a média das posições subjacentes, designado por Valor Líquido dos Ativos ou VLA (NAV, em inglês). Normalmente, é calculado numa base diária mas poderá ser menos frequente, no caso de ativos mais ilíquidos.

Valores/Títulos
Ativos financeiros de qualquer tipo negociados em mercados financeiros. É feita uma distinção entre valores de dívida, como obrigações; ações, como ações ordinárias; e derivados, como futuros.

VLA (NAV, em inglês)
VLA é uma abreviatura de Valor Líquido dos Ativos. É obtido dividindo o valor total dos ativos do fundo (liquidez + preço x número de ações do fundo) pelo número de ações/unidades de participação. É o preço que um investidor deverá pagar para comprar outras ações/unidades de participação ou que deverá receber caso venda essas ações/unidades. Num fundo imobiliário, é a diferença entre os ativos e passivos.

Volatilidade
A volatilidade de mercado refere-se aos movimentos súbitos nos preços dos instrumentos, matérias-primas ou moedas que são muito difíceis de prever. Estes movimentos, que ocorrem em pequenos períodos de tempo, são significativos e podem ser positivos ou negativos. De forma inversa, um baixo nível de volatilidade significa que os preços em questão são estáveis no período considerado.